Rui e Wagner vão a Minas para lançamento da pré-candidatura do ex-presidente Lula

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), está em Contagem, Minas Gerais, para participar do lançamento da pré-candidatura do ex-presidente Lula à Presidência da República, na noite desta sexta-feira (8). Lula está preso desde o dia 7 de abril após ser condenado a 12 anos e 1 mês em segunda instância por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

A candidatura de Lula ainda precisa ser revertida na Justiça para que ele possa participar das eleições. Ainda assim, o PT afirma que vai registrar a candidatura de Lula no dia 15 de agosto.

A ex-presidente Dilma Rousseff também participa do ato, com deputados federais, senadores, governadores e ex-ministros.

‘O melhor calmante para o mercado é Lula’, diz Rui em ato de pré-candidatura do ex-presidente 

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), afirmou na noite desta sexta-feira (8), em evento de lançamento da pré-campanha do ex-presidente Lula, em Contagem (MG), que o “melhor calmante” para o mercado é o retorno do líder petista ao Planalto.

“A Gleisi [Hoffmann, senadora e presidente da sigla] leu hoje nos jornais que o mercado está nervoso, preocupado. E o melhor calmante para o mercado chama-se Luiz Inácio Lula da Silva. Tenho dito e vou repetir: o Brasil precisa se reencontrar. O Brasil precisa passar seriedade e credibilidade para o mundo inteiro”, discursou Rui na abertura do evento, mencionado por Gleisi com o mais importante ato pró-Lula deste ano.

Segundo o governador, desde que o PT deixou a Presidência, o Brasil tem amargado índices de queda em diversos setores da economia e, por isso, ele afirma, acabou perdendo protagonismo em nível mundial.

“Infelizmente, não é com a insistência do nome de Lula que o Brasil perdeu credibilidade internacional. [São] três anos de sofrimento, três anos de desemprego, três anos de crise econômica, de recessão. Hoje não tem mais o Minha Casa, Minha vida. A construção civil não está empregando. O país não aguenta mais. O Brasil precisa se conciliar consigo mesmo”, acrescentou Rui, que voltou a classificar a prisão ao correligionário como “a maior injustiça da história brasileira”.

“Em qualquer cidade do Nordeste, bastar citar o nome dele [Lula] para que o povo diga: ‘Ele precisa voltar para reconstruir o nosso Brasil'”, declarou o chefe do Palácio de Ondina.

Numa espécie de recado à classe média, Rui disse que “aqueles que se consideram a elite do Brasil precisam entender que o potencial do país está no povo”, a quem, segundo ele, o ex-presidente representa.

“Eles têm que compreender que Lula é o nome do crescimento, o nome do retorno à produção nacional, o nome do retorno do crescimento econômico, que vai gerar lucro para as empresas e que vai fazer isso rapidamente”, declarou Rui.

Nós vamos construir a viabilidade da candidatura de Lula, diz Wagner durante ato em Minas

O primeiro a discursar no evento que marca o lançamento da pré-candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República, na noite desta sexta-feira (8), em Minas Gerais foi o ex-governador da Bahia, Jaques Wagner. O petista baiano até se surpreendeu a ser o primeiro, logo após a presidente do partido, a senadora Gleisi Hoffmann e começou falando sobre o encontro com o ex-presidente, em Curitiba, nesta quinta-feira (7).

“Tive o privilégio de estar ontem com o presidente Lula e ele agradeceu o trabalho que Gleisi tem feito no PT neste momento. Queria dizer que visitei junto com Wellington [Dias] o presidente Lula e diria que a mensagem mais importante que ele falou, e já conhecemos isso de Paulo Freire, é que a ‘maior vitória dos opressores é quando os oprimidos aceitam a opressão’”, recitou Wagner.

O ex-secretário de Desenvolvimento Econômico da Bahia disse ainda que opositores querem impor a ideia de que Lula não pode ser candidato e querem criar uma regra específica para inviabilizar sua candidatura. “Não podemos aceitar a exceção à regra que tentam impor a Luiz Inácio Lula da Silva. Ele é candidato porque ele é inocente, porque querem criar uma regra específica para ele porque querem inviabilizar o sonho de milhões e milhões de brasileiros”.

Citando uma das frases mais utilizadas por Lula nos últimos momentos antes de ser preso, Wagner finaliza o discurso entoando “Lula lá”. “O que cada um de nós tem que ser é o que ele falou para nós: ‘se me calarem a voz, eu vou falar pela voz de vocês, se não puder andar, vou andar pelos pés de vocês’. Se ele não puder pedir votos na rua cada um de vocês será o Lula pedindo votos na rua pelo Brasil afora. O ato de hoje representa isso. Eles querem que a gente aceite a inviabilidade e nós vamos construir a viabilidade de Lula inocente, Lula candidato, Lula presidente”.

O governador Rui Costa também participa do ato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *