Operação Offerus resulta em afastamentos de prefeitos e prisão na Bahia

Deflagrada na manhã desta terça-feira, 21, a operação da Polícia Federal (PF), Offerus, que desarticulou esquemas de fraude em algumas cidades da Bahia, resultou no cumprimento de uma prisão preventiva, afastamento de dois prefeitos e 19 mandados de busca e apreensão, além da ordem de bloqueio de contas bancárias e imóveis. Também foram apreendidos dois veículos de luxo, e cerca de R$ 850.630 mil em espécie, encontrados na casa de praia de um dos investigados.

A ação que se estendeu nas cidades de Alagoinhas, Casa Nova, Conde, Ipirá, Jequié e Pilão Arcado, também chegou a fiscalizar uma loja especializada em artigos para escritório, localizada na avenida Lucaia, no Rio Vermelho, na capital baiana. A  investigação começou às 6h da manhã e apreendeu computadores e documentos.

Os prefeitos das cidades de Pilão Arcado e Ipirá, Afonso (PP) e Marcelo Brandão (DEM), respectivamente deverão ficar afastados do cargo por dez dias, e retomar as atividades em seus respectivos municípios após o prazo. Porém, mesmo após o fim do período de afastamento, eles continuarão a ser investigados.

De acordo com informações da chefe da ação, delegada Luciana Matutino Caires, os gestores teriam recebido propina diretamente do esquema, seja em espécie ou por meio de transferência bancária. Alguns ex-prefeitos, que não tiveram os nomes revelados também receberam dinheiro, através de servidores públicos como secretários municipais.

Dois carros de luxo foram apreendidos
Dois carros de luxo foram apreendidos

Segundo a polícia, um empresário do ramo de imóveis, que não teve o nome divulgado, era o maior beneficiário do esquema. “Ele usou os seus funcionários da sua empresa como “laranjas”, para abrir outras três. A partir daí, elas ganhavam as licitações fraudadas e superfaturavam as contas dos municípios. Era pago aos motoristas, um valor muito menor do que constava nas documentações. Além de se apropriar do montante, era desse valor superfaturado que saíam as propinas pagas aos agentes políticos e outras pessoas envolvidas”, afirmou Luciana.

Foi na casa de praia do empresário que os investigadores encontraram mais de R$ 850 mil em espécie. O suspeito está preso por tempo indeterminado pelos crimes de indevida dispensa de licitação, fraude a licitação, superfaturamento, desvio, lavagem de dinheiro, corrupção ativa e associação a organização criminosa. Estima-se que cada contrato feito rendia á ele cerca de R$ 300 mil.

Dos R$ 130 milhões, firmados nos contratos dos seis municípios investigados, cerca de R$ 38 milhões já foram identificados como fraudes e bloqueados pela Justiça. Dentre as provas apresentadas estão vídeos com o empresário movimentando o dinheiro, áudios de reuniões com os prefeitos e secretários e ligações telefônicas, nas quais eram acertados os detalhes dos esquemas. Em uma das filmagens, o empresário entrega um montante ao prefeito de Pilão Arcado e afirma que aquele seria o pagamento referente ao mês.

De acordo com a Controladoria Feral da União, os municípios de Alagoinhas, Casa Nova e Jequié já haviam sido investigados pelo órgão em 2017. Na ocasião, foi identificado um grupo de empresas de fachada se revezando na contratação do transporte escolar para alunos do ensino básico da rede municipal. “Apesar de contratadas, as empresas não tinham nenhum tipo de estrutura, com veículos ou motoristas. Para realizar o atendimento, elas terceirizavam os serviços, e os motoristas recebiam um valor muito inferior ao que era repassado, com mais de 100% de diferença”, detalhou o Superintendente da CGU na Bahia, Ronaldo Machado de Oliveira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *