Eleições 2018: Salvador cadastrou apenas 52,9% dos eleitores

A um mês e meio do fim do recadastramento biométrico eleitoral, marcado para acontecer obrigatoriamente em 53 municípios baianos até o dia 31 de janeiro de 2018, Salvador só tem cadastradas as digitais de 1,055 milhão de eleitores.

Isso representa 52,9% do 1,9 milhão de pessoas aptas a votar na capital baiana – número que ainda não é a marca de 75%, considerada pelo Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) o mínimo aceitável em um processo de revisão do eleitorado como esse.

Os dados, atualizados nesta sexta-feira, 15, pelo órgão, apontam ainda que, em todo o estado, somente 4,6 milhões dos 10,6 milhões de eleitores (43,49%) fizeram a identificação biométrica. O número supera a meta do TRE-BA, que esperava a biometrização de pelo menos 40% do eleitorado baiano este ano.

O objetivo do recadastramento era atingir três milhões de atendimentos este ano – número que também foi superado, com a biometrização de 3,16 milhões de pessoas até esta sexta.

Procura

Na corrida para não deixar de fazer o cadastramento – o que resulta em prejuízos, como a impossibilidade de fazer passaportes, RG e até de assumir cargo público –, centenas de pessoas foram, nesta sexta, ao posto do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA), localizado no Centro Administrativo da Bahia (CAB), na avenida Luiz Vianna, a Paralela.

Atendimento rápido

O grande movimento provocou, desde a manhã até o final da tarde, uma fila quilométrica, que tomou conta do vão livre embaixo do prédio do órgão. Apesar disso, os eleitores relataram à equipe de reportagem o andamento normal do atendimento.

Entre elas estavam as amigas Samara Santos, 18 anos, Cássia Cruz, 18, e Jéssica Patrícia, 22, que conseguiram regularizar a situação eleitoral “em menos de uma hora”, conforme contabilizaram as próprias.

Elas contaram que, apesar de terem demorado para procurar o TRE, o fizeram “para não perder o Bolsa Família”. No caso de Samara, o motivo foi o desejo de fazer concurso público.

Às 16h14, após duas horas de espera na fila, a dona de casa Glória Regina, 53, também já havia sido atendida. Ela, que foi ao TRE na expectativa de não pegar filas, por ser final de ano, elogiou o atendimento, apesar da quantidade de eleitores que também foram ao local. “Está muito organizado, o atendimento é bom e foi rapidinho”, classificou.

O mesmo foi relatado pelo auxiliar de padeiro Marcelo Bispo, 54 anos, que, para guardar o lugar da esposa na fila, foi ao CAB na tarde desta sexta. Ele, que percorreu a extensa fila em 45 minutos, já tinha feito a própria atualização cadastral há 15 dias.

“Quando eu vim, sofri. Cheguei 8h e saí 15h30. Mas hoje foi bem tranquilo”, contou Marcelo, por volta de 16h20, quando já era o próximo a ser chamado.

A esposa dele, porém, ainda não tinha chegado – o que beneficiou a próxima da fila, a promotora de vendas Catiane Moreira, 37. “Já estou perto, chegamos aqui 14h e já estou sendo atendida. Achei que ia demorar, mas foi muito rápido”, avaliou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *