Cachoeira: Iphan comemora 50 anos de tombamento com mais de 100 casarões em ruína

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) comemora de 25 a 29 de janeiro os 50 anos de tombamento do conjunto arquitetônico e paisagístico da cidade de Cachoeira, no recôncavo baiano, com um evento intitulado “Webnário”. O evento que tem como objetivo a celebração do cinquentenário de seu tombamento e acontece de forma virtual tem pouco a se comemorar.

Cachoeira que foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) em 1971, em plena vigência da ditadura, é uma das cidades baianas que mais preservaram a sua identidade cultural e histórica. Isso ocorre na teoria, pois na prática a cidade de Cachoeira não tem muitos motivos para disso se orgulhar.

De acordo com um levantamento feito pelo sociólogo e antropólogo, Gustavo Falcón, a cidade acumula mais de 100 edificações, entre casas, sobrados e até templos religiosos em péssimo estado de conservação . “A Igreja de Nossa Senhora dos Remédios já encontra-se em estado de arruinamento. Dos cerca de 600 imóveis considerado de valor histórico e arquitetônico em toda a cidade aproximadamente 100 encontram-se em estado de arruinamento, abandono ou necessitando de intervenções urgentes. Muitos desses imóveis que estão em mãos de particulares causam estranheza o seu arruinamento, uma vez que, pessoas de posse não realizam as reformas por razões desconhecidas”, destacou Falcón.

Fotos: Seus Zé

O pesquisador ainda apontou falta de mais atenção dos agentes públicos com o patrimônio da cidade. “Por todos esses aspectos, é preciso que seja uma comemoração crítica, valorizando o que foi feito de positivo, mas fazendo cobranças para os líderes políticos para que possam olhar para a cidade, porque Cachoeira além de ser um ativo cultural, turístico e econômico, é um patrimônio histórico nacional.

Fotos: Seu Zé

O que diz o IPHAN:

Em nota à imprensa o atual chefe do Escritório Técnico do Iphan em Cachoeira, arquiteto e urbanista João Gustavo Andrade, afirmou que, ao mesmo tempo em que se celebram os 50 anos deste tombamento, revela-se também importante discutir as conquistas alcançadas nesse período, além de seus impactos na vida da população local. “É fundamental o entendimento da atual relação da comunidade com o bem a fim de sedimentar os instrumentos já existentes em prol da preservação e salvaguarda deste patrimônio cultural, criando-se espaços para discussões de novas formas e perspectivas de proteção e gestão”, disse o arquiteto.

Fotos: Seu Zé

Um comentário em “Cachoeira: Iphan comemora 50 anos de tombamento com mais de 100 casarões em ruína

  • fevereiro 2, 2021 em 9:46 am
    Permalink

    Acredito que precisamos continuar lembrando aos poderes competentes de que dixar desestruir para não lembrar ,pode ser uma estratégia porém existe um fator chamado memórias que não vão se a Pagar da mente de um povo.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *