Cachoeira: Cancelamento da festa de Nossa Senhora da Boa Morte traz prejuízos para setor hoteleiro

O cancelamento da festa secular da Nossa Senhora da Boa Morte, devido às medidas de prevenção contra o avanço da Covid-19, trouxe prejuízos para o setor hoteleiro e de alimentação e bebidas de Cachoeira, cidade do recôncavo da Bahia.

Durante os festejos, celebrado há mais de 200 anos, Cachoeira recebe cerca de 7 mil pessoas de todo Brasil. Conforme o secretário de Cultura e Turismo de Cachoeira, Cleydson do Rosário, cerca de 95% dos hotéis do município são ocupados.

“O equipamento hoteleiro de Cachoeira tem a sua taxa ocupacional variando entre 90 e 95%. Esse ano praticamente zero. Então o efeito é realmente nefasto. É sem precedentes, tanto para as nossas equipes turísticas, representadas pelo setor hoteleiro, bem como para os nossos equipamentos voltados para alimentos e bebidas, que são nossos bares, restaurantes e lanchonetes”, disse o secretário.
A Festa da Nossa Senhora da Boa Morte terá programação online em 2020. O festejo sempre ocorreu em agosto, mês dedicado à Nossa Senhora.

Neste ano, o evento será de quinta-feira (13) até a próxima segunda-feira (17). As atividades serão transmitidas pela UFRB TV, no Youtube, e no Facebook da Irmandade da Boa Morte.

A programação terá momentos especiais com as Irmãs da Boa Morte, como lives de orações e a transmissão de missa.

Haverá espaço também para a discussão de temas, como a importância do registro da festa como Patrimônio Imaterial da Bahia desde 2010, resistência, fé e religiosidade da mulher negra, além do lançamento da revista “Mulheres de Axé”, e a apresentação do grupo Gêge Nagô.

“Nesse ano vai acontecer esses workshops, vai acontecer também uma missa em celebração, em homenagem as nossas irãs falecidas e as nossas irmãs que atualmente compõe a irmandade”, disse Cleydson do Rosário.

Confira a programação completa:
Dia 13.08 (quinta-feira)

19h – Festa da Boa Morte – Patrimônio Imaterial da Bahia – IX Simpósio: identidades culturais e religiosidades; João Carlos de Oliveira – Diretor Geral do IPAC, Roberto Pelegrino – Diretor de Preservação do Patrimônio Cultural do IPAC, Nivea Santos – Gerente de Patrimônio Imaterial do IPAC, Mediador: Jomar Lima
14.08 (sexta-feira)

19h – Abertura Institucional – CAHL/UFRB e Fundação Hansen Bahia
19h30 – Mesa 1 – Resistência e Fé na Bahia em Tempos de Pandemia – Leonel Monteiro – Presidente da AFA (Associação Brasileira de Preservação da Cultura Afro Amerindia); Tâmara Azevedo – Coordenadora das Redes de Turismo Étnico do Estado da Bahia/SETUR; Tata Ricardo Tavares – Terreiro Lembá. Mediação: Dra Dyane Brito
15.08 (sábado)

16h – Religiosidade negra no Brasil- Resistência e Fé – Lucilene Reginaldo (Unicamp); Edmar Santos (UNEB). Mediação: Luciana Brito (UFRB)
18h30 – Live de Orações com as irmãs da Boa Morte
20h WebConferencia – O Terreiro Ijexá da Língua de Vaca. Vilson Caetano (UFBA). Mediador: Zulu Araújo (Fundação Pedro Calmon)
16.08 (domingo)

9h – Missa
15h – Live de Orações com as irmãs da Boa Morte
16h- Grupo Afro Barroco Gege Nagô
Dia 17.08 (segunda-feira)

19h – Lançamento da Revista Mulheres de Axé. Em homenagem a Irmandade da Boa Morte.

Fonte: G1 Bahia

Foto: Jomar Lima/Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *