Maragogipe sofre com ação dos bandidos e moradores pedem implantação de CIPM

A violência está demais. Muitos estão deixando suas casas. Ruas estão vazias. Nós não aguentamos mais”. O depoimento é de uma moradora da cidade que preferiu não se identificar. Maragogipe, cidade que fica no Recôncavo Baiano, tem, atualmente, quase 50 mil habitantes e vem sofrendo há alguns anos com a ação do tráfico de drogas na região.

Esta semana, moradores procuraram o BNews e relataram o medo que impera na cidade. “Todo fim de semana tem morte. Eles (os traficantes) estão dominando tudo, principalmente no bairro Angorá. Precisamos urgente de uma Companhia da Polícia”, afirmou um outro morador que preferiu ter a identidade preservada.

Procurada, a delegada Ana Neide dos Anjos, titular da Delegacia Territorial (DT) de Maragogipe, afirma que “depois de quase três meses sem registro de homicídio, o último ocorreu em 18 de maio, e já foi elucidado. A titular também informa que o trabalho de investigação e combate ao tráfico de drogas e outros crimes é contínuo, desde a investigação até o cumprimento de mandados de prisão e apreensão”.

Há mais de quatro anos que o site traz à tona os problemas na segurança pública do Recôncavo Baiano. O tráfico de drogas tomou conta de Maragojipe, trazendo à mídia um cenário de terror e guerra da cidade. O dia 16 de julho de 2014 ficou marcado como a noite do medo. O saldo das horas de terror: casas incendiadas e um morador torturado e executado na própria residência. Identificado apenas como Henrique, o jovem teve os antebraços quebrados e o corpo cortado com golpes de facão.

Na época, em 2015, em contato com a assessoria de comunicação da SSP, a mesma informou ao BNews que o problema de Maragojipe só será amenizado quando forem convocados os aprovados no último certame da Polícia Civil, realizado em 2013, que disponibilizou oportunidades para Delegado de Polícia (100 vagas), Escrivão de Polícia (100 vagas) e Investigador de Polícia (400 vagas). Porém, a Sesacretaria de Administração (Saeb), pasta responsável pelos concursos do Estado, informou através de nota, na época enviada ao site, que não há uma previsão sobre quando os aprovados serão chamados.

Procurada, na semana passada, a assessoria da PM foi questionada sobre o efetivo do policiamento na cidade, entretanto, a reportagem foi informada que estes números não podem ser divulgados por uma questão estratégica.

Ações da polícia

No último dia 5, o braço direito do fundador de uma facção criminosa de Maragogipe foi morto em confronto com a polícia. ‘Kaká’, como era conhecido, estava escondido em um mangue junto com um comparsa, que também foi baleado e morto após reagirem à abordagem das equipes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope). Com eles, foram apreendidas munições de fuzil, pistolas, coletes balísticos e drogas. O traficante e seu comparsa e gerente da facção, Harin Ferreira Galvão, 25 anos, foram socorridos, mas não resistiram.

Equipes do Bope continuam no mangue em busca de outros cinco integrantes da quadrilha que escaparam, após o confronto. Na parte urbana da cidade, a Patamo colocou viaturas em pontos estratégicos para evitar fugas.

“Mais uma vitória da polícia baiana. Conseguimos isolar Roceirinho em um presídio federal e agora localizamos o segundo escalão. Parabéns ao Bope que utilizou das suas técnicas em ambientes rurais para chegar nos criminosos”, declarou o secretário da Segurança Pública, Maurício Teles Barbosa.

Guarnições da Companhia de Patrulhamento Tático Móvel (Patamo) do Batalhão de Choque e da 27ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM/Maragogipe) apoiaram as ações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *