Caso Geddel: Ex-diretor da Codesal é liberado de prisão domiciliar

O ex-diretor-geral da Defesa Civil de Salvador (Codesal), Gustavo Ferraz, foi liberado da prisão domiciliar que cumpria em Salvador neste sábado (3), após decisão tomada na sexta pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin. Agora, Ferraz vai responder ao processo em liberdade.

Desde 23 de outubro do ano passado, Ferraz estava em prisão domiciliar. No mês seguinte, começou a usar uma tornozeleira eletrônica para monitoramento de suas ações. Antes, chegou a ficar em regime fechado, quando foi preso junto com o ex-ministro Geddel Vieira Lima.

A decisão também revoga medidas cautelares que restringiam o uso de telefone e internet por parte de Ferraz.

De acordo com a denúncia, Gustavo Ferraz atuou, ao lado de Job Ribeiro Brandão, como operador do ex-ministro Geddel, de seu irmão, o deputado federal Lúcio Vieira, e de sua mãe, Marluce Vieira Lima. De 2010 a 2016, os operadores são apontados como responsáveis por receber o dinheiro e transportá-lo até o local da ocultação (residência de Marluce), onde faziam a contagem do montante e o redistribuíam.

Histórico
No dia 8 de setembro, Ferraz foi preso em sua casa, no bairro de Vilas do Atlântico, em Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador, durante a quarta fase da operação Cui Buono, da Polícia Federal, que teve como alvo principal a prisão do ex-ministro Geddel Vieira Lima. No mesmo dia, a prefeitura de Salvador exonerou o servidor do cargo.

Ferraz assumiu o posto na Codesal em janeiro deste ano. Ele também já foi superintendente da Agência de Desenvolvimento Econômico da Bahia e chefe da Superintendência de Indústria e Comércio de Lauro de Freitas, além de diretor da Superintendência de Desenvolvimento Industrial e Comercial da Bahia (Sudic).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *