Com medo de Bolsonaro, LGBTs se engajam para virar votos nas redes

Antes de 2018, o jornalista e diretor de teatro Arthur Barison, 30, dizia não ter visão política e, a cada eleição, se limitava a escolher os candidatos que “não fossem ferir tanto seus direitos”. Homossexual, ele está noivo e planeja o casamento para 2020.

No dia 7 de outubro, porém, ao ver o resultado do primeiro turno da eleição presidencial, em que Jair Bolsonaro (PSL) obteve 46% dos votos válidos, contra 29% de Fernando Haddad (PT), conta que chorou e decidiu tentar recuperar o tempo perdido.

“Achava que era óbvio que ninguém votaria nele pelas besteiras que ele fala. Comecei a me preocupar quando vi o resultado. Na hora baixou minha pressão e pensei: o que está acontecendo com o Brasil?”, diz. A administradora Clarice, 22, (nome fictício) é lésbica e diz que também ficou com medo.

“Eu sentei e chorei. Realmente, sentei e chorei. Fiquei desesperada, com medo. Passei uma semana sem dormir à noite e a única vez que consegui, sonhei que era morta.” Apesar de não integrar movimentos sociais, ela participa de manifestações desde 2013 e já se posicionava contra Bolsonaro desde o anúncio de sua candidatura, mas conta que não esperava ver tantas pessoas próximas o apoiando.

“Um dos meus grandes amigos da faculdade disse que tudo bem se Bolsonaro matar viadinho”, afirma. Ela relata que amigos homossexuais foram chutados na rua por andar de mãos dadas com os namorados e que o clima de agressão está “100% pior”.

A estudante de filosofia da USP Malu, 22, também é lésbica e conta que vivenciou isso no dia 9 de outubro, dois dias após o primeiro turno. A caminho do treino de basquete, vestindo roupas esportivas, ouviu de um homem: “Aqui é Bolsonaro! Ele vai matar todas as pessoas iguais a você e eu vou ajudar, sua vagabunda petista, poço de Aids!”.

“Antes já havia polarização do PSDB e PT, já esperava isso, mas não entre um discurso de ódio e fascista e um discurso contra isso”, afirma ela, que raramente usava as redes sociais para se posicionar, mas decidiu fazer isso neste segundo turno.

Arthur e Clarice também passaram a tentar virar votos para Fernando Haddad nas redes. Ela conseguiu converter um eleitor de Bolsonaro e Arthur convenceu sua madrinha antipetista a anular o voto. Além das páginas pessoais, ele usa o perfil da cachorra para defender o petista. “Bom sabadíneo para você que vai votar no candidato descoladíneo haddadíneo”, postou com a hashtag #elenão entre outras de apoio a Haddad.

Se Bolsonaro for eleito, ele pretende antecipar o casamento e mudar de país. “Fico com um pouco de medo e triste. Não estou com raiva. Quero muito acreditar que eu estou errado, que ele não vai ser uma ditadura e um regime fascista, mas estou com muito medo”, relata Arthur.

Clarisse diz ter esperança numa reviravolta, mas que independentemente do que possa acontecer “existem pessoas que querem resistir”. Segundo o Datafolha, entre os que se declaram homossexuais, bissexuais e de outras orientações sexuais que não a heterossexual, Haddad lidera com 57% das intenções de voto. Nesse grupo, Bolsonaro tem 29%.

Relatos de pessoas que não fazem parte de movimentos e estão se posicionando politicamente aumentaram, segundo associações que atuam na defesa dos direitos dos LGBTs. A articuladora da Liga Brasileira de Lésbicas (LBL) em Porto Alegre, Carol Bastos, diz que pessoas que nunca tinham se envolvido mudaram de hábitos pelo medo de represálias. “Frente ao segundo turno, ao medo e as violências que estão sendo praticadas, as pessoas estão sentindo a necessidade de tomar posição para enfrentar o que tem causado esse medo e existir.”

A presidente da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), Keila Simpson Sousa, elogia a mobilização. “Isso é importante, porque não é preciso estar no movimento para se posicionar politicamente. É preciso apenas a pessoa internalizar o que está acontecendo e reagir da forma que ela acredita que vai resolver o problema dela. Isso é para mostrar que a iminência do fascismo levanta muita gente da zona de conforto”, afirma.

A Antra classifica Bolsonaro como um sintoma de uma sociedade “LGBTfóbica, machista e racista” que busca normatizar as pessoas e apagar as diferenças. Para a LBL, “votar nulo pelo antipetismo, significa eleger e legitimar uma parcela da sociedade que se utiliza da violência como bandeira de luta”.

As associações afirmam ainda que os relatos de agressão contra LGBTs aumentaram no contexto eleitoral. “Se Haddad ganhar haverá perseguições. Se Bolsonaro ganhar haverá perseguições em dobro”, afirma Nelson Matias Pereira, sócio-fundador da ONG ApoLGBT SP, organizadora da Parada LGBT.

“Antes da eleição os relatos de violência chegaram até nós dentro de um contexto onde vivemos em um país diverso que não aceita a diversidade. Com o início do pleito eleitoral, as violências se tornaram ainda mais sistemáticas e recorrentes”, afirma a articuladora da LBL, Carol Bastos.

O antropólogo e doutorando da USP Lucas Bulgarelli Ferreira diz que o discurso homofóbico do candidato amplia essas agressões. “As eleições permitem legitimar democraticamente discursos de ódio. Agredir grupos específicos se torna legítimo quando temos um candidato que apoia este tipo de ação.”

Segundo o relatório do Grupo Gay da Bahia (GGB), em 2017, 445 LGBTs morreram no Brasil vítimas da homotransfobia —387 assassinatos e 58 suicídios—, um aumento de 30% em relação a 2016, quando foram registradas 343 mortes.

De acordo com agências internacionais de direitos humanos, matam-se mais homossexuais no Brasil do que nos 13 países do Oriente Médio e África onde há pena de morte contra LGBTs.

Pereira afirma que tem várias críticas ao PT, mas que Bolsonaro já declarou, por exemplo, que o SUS não deve pagar pelo tratamento de quem convive com HIV, porque as pessoas são culpadas pela doença.

“Votar no PT é uma questão de sobrevivência. O discurso de Jair Bolsonaro abriu a caixa de Pandora e os demônios saíram de dentro do armário.” Por outro lado, há também homossexuais que defendem o voto no capitão reformado.

Luciano (nome fictício) diz concordar com a inflexibilidade de Bolsonaro. “Acho a rigidez dele necessária para impor ordem, o respeito às leis e consertar o país.”

Ele diz que tem esperança que o candidato dialogue e discuta os assuntos de interesse da comunidade LGBT e que ao comparar os dois planos de governo, considerou o dele melhor. “Algumas propostas do Haddad são desnecessárias”, afirmou, sem detalhar quais.

Quando atendeu o telefonema da reportagem, o cabeleireiro e designer de interiores Ronaldo Fernandes, 53, estava num cartório do Rio de Janeiro para oficializar a união com o marido, com quem está há mais de 33 anos.

“Bolsonaro tem uma proposta conservadora, que enaltece os valores da família e uma sociedade do bem. Ele é uma pessoa muito bem intencionada que quer consertar essa bagunça e acabar com a inversão de valores. Espero que ele cumpra tudo o que diz”, afirma Ronaldo, que se declara antipetista.

Para o designer, a perseguição de Bolsonaro é contra o excesso, a desorganização e a incoerência dos hábitos sociais. “O gay não tem que ficar na rua se agarrando na frente das crianças e dos héteros, porque é uma atitude agressiva. Ele não quer colocar gays no paredão. É a mídia que faz questão de dizer isso. Bolsonaro está atrás do gay que faz arruaça e não daquele que vai da casa para o trabalho e do trabalho para casa.”

“A questão é que precisamos optar e eu escolho a proposta de quem quer consertar e organizar o país. Existe o risco dele vir a ser repressor? Existe, mas o risco do PT entrar e continuar a roubalheira é maior. O PT não levanta a bandeira verde e amarela, mas a vermelha”, diz.

Bulgarelli estuda o engajamento político sobre gênero e sexualidade e observa o discurso de homossexuais que apoiam Bolsonaro em cerca de 120 grupos no Facebook e WhatsApp.

O antropólogo da USP afirma que, no país onde mais se mata LGBTs no mundo, é preciso que os candidatos se posicionem de forma clara sobre essa parcela da população.

“Esta é uma campanha em que o contra e o a favor precisam conviver. A eleição não permite meio termo e a defesa do LGBT não pode ser pela metade. O eleitorado do Bolsonaro é demarcado por uma zona de incerteza e o próprio candidato, muitas vezes, joga com isso.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *