Waldir Pires, ex-governador da Bahia, morre aos 91 anos

O ex-governador da Bahia e ex-vereador de Salvador, Waldir Pires, 91 anos, morreu na manhã desta sexta-feira (22) na capital baiana.

O político deu entrada na noite desta quinta-feira (21) no Hospital da Bahia com quadro de pneumonia.

De acordo com a unidade de saúde, nesta manhã, por volta das 10h, Pires teve parada cardio respiratória e não resistiu.

Quem foi Waldir Pires

Nascido em Acajutiba, em 1926, Waldir Pires chegou em Salvador aos 16 anos após ser aprovado no vestibular da Universidade Federael da Bahia para o curso de Direito.

No início da década de 1950, aos 24 anos, foi secretário de Estado no governo de Régis Pacheco. Em 1954, elegeu-se deputado estadual, formando a base de apoio do Governo Antônio Balbino. Em 1958, elegeu-se deputado federal, sendo escolhido vice-líder do Governo Juscelino Kubitschek. Em 1962 ,candidatou-se ao governo da Bahia e perdeu as eleições por uma diferença de apenas 3% dos votos para o candidato da UDN, Lomanto Júnior.

Em 1963, foi convidado pelo Presidente João Goulart para ocupar o cargo de Consultor-Geral da República. Com o golpe militar em 64, foi cassado e perseguido e viveu em exílio no Uruguai e na França. Regressou ao Brasil em 70, quando ajudou na fundação do PMDB.

No ano de 1985, assumiu o cargo de ministro da Previdência Social no governo do presidente Tancredo Neves.

Foi eleito governador da Bahia em 86 nas primeiras eleições diretas para governador após o regime militar.

Em 1990, filiado ao PDT, se elegeu deputado estadual com maior votação na Bahia. Em 1998 elegeu-se deputado federal com a maior votação no Estado. Candidatou-se a uma vaga no senado em 2002, ao lado de seu companheiro de chapa Haroldo Lima, perdendo para ACM.

Em 2002 é convidado pelo presidente Lula para o cargo de ministro-chefe da Controladoria-Geral da União (CGU).

Durante o período em que esteve no comando da CGU, Waldir Pires implementou diversas e importantes políticas de controle da Administração Pública e de prevenção e combate à corrupção. Nesse contexto, destacam-se o bem-sucedido Programa de Fiscalização a partir de Sorteios Públicos de recursos federais transferidos voluntariamente a estados e municípios, e o Portal da Transparência, ferramenta de transparência governamental reconhecida e premiada no Brasil e no exterior.

Em 31 de março de 2006 assume o Ministério da Defesa, a pedido do presidente Lula.

Durante sua gestão aconteceu a chamada crise no setor aéreo brasileiro, da qual fazem parte dois terríveis capítulos: os acidentes com o voo Gol 1907, em setembro de 2006, e com o voo TAM 3054, em julho de 2007. A crise culminou com a demissão do ministro de seu cargo, no final de julho.

Em 2008, foi condecorado com o título de Cidadão Benemérito da Liberdade e da Justiça Social João Mangabeira, que é concedido a brasileiros reconhecidamente dedicados às causas nobres, humanas e sociais. Foi eleito vereador de Salvador aos 85 anos em 2012.

O ex-ministro enfrentava sérios problemas de saúde desde o final de 2017. Já debilitado, não participou da Lavagem do Bonfim deste ano. Só voltou a aparecer publicamente no dia 14 de junho, oportunidade do lançamento de sua biografia, escrita pelo correligionário Emiliano José.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *