Rui e Lídice conversam, mas não batem martelo

Após mais de três horas de conversas com o governador Rui Costa (PT) e o pré-candidato ao Senado, Jaques Wagner (PT), na noite desta quarta-feira, 13, a senadora Lídice da Mata (PSB) saiu da Governadoria (Cab) sem definição sobre seu pleito para ocupar a outra vaga ao Senado na chapa majoritária, que também está sendo disputada pelo presidente da Assembleia Legislativa, Ângelo Coronel (PSD).

Rui não teria comunicado nada ou apresentado proposta, segundo relato da senadora a correligionários. Ainda assim, ela teria saído da reunião otimista. Nova conversa deve ocorrer até o sábado, desta feita, para bater o martelo definitivo. Rui disse que deve anunciar a chapa na segunda ou terça-feira da semana que vem. Nos bastidores, porém, é dado como certa a chapa com Coronel.

A senadora, que convocou reunião com a Executiva do partido ainda na noite desta quarta, relatou aos colegas de partido que defendeu sua trajetória e a manutenção da vaga, além de citar a sinalização da aliança nacional do PSB com o PT, divulgada na segunda-feira pelas lideranças petistas. Em resposta, teria ouvido de Rui a dificuldade para compor com todos os aliados. O governador chegou a citar o pleito do PSD, comandado pelo senador Otto Alencar, e o peso do partido na composição.

Rui não apresentou proposta à Lídice, segundo disse para A Tarde o deputado estadual Marcelo Nilo, que participou da reunião com a senadora na sede do PSB, no Rio Vermelho, na qual também estavam presentes os deputados (as) Fabíola Mansur, Alex Lima, Ângelo Almeida e o presidente do diretório do partido em Salvador, Domingos Leonelli.

“A conversa foi boa, mas não foi conclusiva. Mas ela saiu convencida de que vai ser ela”, disse Nilo. Há duas semanas a senadora decidiu silenciar e não está mais falando com a imprensa sobre o assunto.

Especulações

O que se comenta nos bastidores é que a proposta que o governo pretende apresentar à senadora é a de que ela sairia a deputada federal em um chapão, e com todo o apoio do governador e partidos aliados.

Marcelo Nilo também teria facilidade em se eleger. Já ao deputado federal Bebeto seria ofertada uma secretaria em um eventual novo mandato de Rui Costa, na cota do partido.

Ao longo do último mês já houve especulação de que Lídice poderia ser suplente de Wagner no Senado que, no caso de ele ser nomeado ministro – em eventual vitória presidencial do campo das esquerdas -, cederia lugar a ela.

Também foi especulada a possibilidade de Lídice sair à deputada estadual e ocupar a presidência da Assembleia Legislativa. Outra possibilidade seria a de Wagner sair candidato à presidente, em substituição a Lula, deixando a vaga do Senado em aberto. Wagner já disse que não quer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *