CR7 brilha, Neymar some e Real sai na frente do PSG

É o confronto mais aguardado destas oitavas de final da Liga dos Campeões, e caiu bem numa Quarta-Feira de Cinzas (14). Mesmo jogando fora de casa, o Paris Saint-Germain pressionou, mas, no final, prevaleceu o Real Madrid, 12 vezes campeão.

No duelo mais complicado da sua passagem pelo PSG até o momento, o brasileiro Neymar não passou de um coadjuvante do português Cristiano Ronaldo. O melhor jogador do mundo marcou duas vezes no triunfo por 3×1 sobre o time francês.

O duelo de volta acontece apenas em março. Na terça-feira (6), às 16h45 (horário da Bahia). Para avançar às quartas de final, a equipe de Neymar precisa vencer por 2×0. Outro 3×1 leva a decisão para os pênaltis. Fora isso, o PSG precisa vencer por três gols de diferença.

O jogo
No duelo dos craques, Neymar sofreu com a marcação do zagueiro Nacho, escalado na lateral direita. Nos minutos iniciais, chamou a atenção muito mais pela individualidade. Foram dois lances que cortou da esquerda para o centro da área e ele não tocou para Mbappé.

O Real começou a partida pressionando o PSG, sobretudo na saída de bola. Quem abriu o placar aos 32 minutos, porém, foi o time francês. Mbappé fez bela jogada pela direita e cruzou na área; Cavani passou pela bola, Nacho, de carrinho, impediu o domínio de Neymar, mas Rabiot aproveitou o rebote para marcar.

O time merengue parecia atordoado. Um erro do argentino Lo Celso, de 21 anos, escalado como titular no meio-campo, porém, deu ao Real um novo fôlego. Aos 44 minutos, Kroos foi puxado pelo ombro pelo rival. Na cobrança, Ronaldo marcou.

Em vez do Real crescer com o empate, foi o PSG quem dominou o segundo tempo. Daniel Alves foi adiantado para o meio-campo e o time cresceu de produção. Nessa hora quem brilhou foi o goleiro Keylor Navas.

Bem no momento em que o time francês mais pressionava, veio o contra-ataque do Real. Aos 38, Asensio cruzou da esquerda e o goleiro Areola cortou. A bola tocou no joelho de Cristiano Ronaldo e acabou no fundo da rede.

Faltava um brasileiro brilhar. Aos 41, ele apareceu: o lateral-esquerdo Marcelo, que vinha sendo uma das válvulas de escape do time na partida, tabelou com Asensio e recebeu a bola no meio da área. Ele bateu firme e fez o 3×1.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *