Filme sobre Marighella começa a ser rodado em Cachoeira, com Wagner Moura na direção

A Secretaria de Esportes da Prefeitura de Cachoeira informou que o Campo da Manga estará interditado na próxima segunda-feira (04), para a filmagem do longa-metragem Marighella.

Confira a entrevista, com o agora também diretor, Wagner Moura

Wagner Moura sabe que o tema que escolheu para seu primeiro filme como diretor será visto como um manifesto político de um ator associado a uma ideologia de esquerda. Mas ele não se importa, pelo contrário: “A gente tem que sair das cordas e partir para o ataque”, diz.

‘Fazer um filme sobre Marighella no Brasil de 2017 não é uma coisa simples. Não apenas eu, qualquer pessoa que entra no filme tem uma vontade de falar de resistência. De falar não do Brasil de 64, mas do Brasil de agora.’

O ataque começa amanhã, dia do início das filmagens de “Marighella”, longa-metragem sobre o guerrilheiro baiano Carlos Marighella. Produzido pela O2, o filme vai acompanhar a vida de Marighella entre 1964 e 1969, até sua morte por policiais numa emboscada em São Paulo.

Desde então, Marighella é lembrado por um lado como um símbolo de resistência; e, por outro, como um terrorista que aderiu à luta armada contra a ditadura. O personagem será vivido por Seu Jorge, num elenco que terá ainda Adriana Esteves e Bruno Gagliasso, entre outros.

Em entrevista ao GLOBO, Wagner explica que pretende que seu “Marighella” seja mais sobre os dias de hoje do que sobre o passado.

Você está perto de começar a rodar seu filme sobre o Carlos Marighella, uma história à qual você sempre se referiu com muito carinho e vem desenvolvendo há bastante tempo. É seu projeto de vida?

Eu comecei com essa história no início de 2013. É um projeto que transcende o cinema, porque fazer um filme sobre Marighella no Brasil de 2017 não é uma coisa simples. Não apenas eu, qualquer pessoa que entra no filme tem uma vontade de falar de resistência. De falar não do Brasil de 64, mas do Brasil de agora.

É disso que a gente vai falar, a gente vai falar de pessoas que resolveram resistir, resolveram dizer que não estavam a fim de se submeter. Todos os envolvidos sabem que não estão fazendo simplesmente um filme, é uma obra que cata o zeitgeist e que enfrentará muita resistência.

O que o Marighella pode representar para nossa sociedade hoje? Há a impressão de que há uma certa conformidade com tudo que tem acontecido. Por exemplo, o protesto em frente à Alerj, no dia da votação em que os deputados decidiram soltar o Jorge Picciani, estava bem mais vazio do que outras manifestações.

Este filme não vai ter nenhum sentido se não representar alguma coisa, sobretudo para as pessoas pelas quais ele lutava. Contar a história de um homem negro que liderou a maior resistência a um poder opressor nos anos 60 não é falar daquela época. É falar do agora.

‘Não tem essa de dizer que o filme é imparcial. Meu filme não será imparcial, será um filme sobre quem está resistindo’

Outro dia eu fui ao acampamento do MTST em São Bernardo do Campo e vi como são nos momentos de distopia que surgem coisas formidáveis. Não é à toa que a arte mais pungente que o Brasil produziu foi em momentos de opressão, foi em 60 e 70.

Eu quero que as pessoas enxerguem no Marighella um modelo de resistência, um cara que deu sua vida pela revolução, pelos outros, por uma causa. Ele não acharia normal pessoas não terem casa, não acharia normal o Picciani ser solto pelos companheiros da Alerj. Mas é claro que essa narrativa não agrada a todo mundo.

Num ano de eleição, as reações podem ser ainda maiores, não?

A gente está preparado para isso. Eu não sei se vou conseguir lançar antes da eleição, mas se eu puder eu lanço. Eu quero que o filme seja um depoimento nosso contra a escrotidão, contra a injustiça, a falácia, a opressão, o golpe. Contra o golpe.

Não tem essa de dizer que o filme é imparcial. Meu filme não será imparcial, será um filme sobre quem está resistindo. A esquerda está numa situação difícil, a gente está nas cordas. Os artistas estão ao ponto de ter que dizer que não são pedófilos. A gente tem que sair das cordas e partir para o ataque.

Você teme algum boicote ao filme por conta do tema?

É engraçado. Eles colocam numa revista que o filme será feito com R$ 10 milhões. E colocam de um jeito para que a opinião pública corrobore esse sentimento de ódio a artistas. Nós tivemos autorização para captar, mas não conseguimos captar tudo isso, só que vamos filmar mesmo assim (a captação está, até aqui, em cerca de 60% do total).

Mas os patrocinadores explicitaram que não apoiariam o filme devido ao Marighella?

Alguns sim, de forma veemente. Outros saíram pela tangente. Eu sou um artista que tem falado para caramba, ainda mais fazendo filme sobre Marighella, então tem uma galera que tem medo de entrar.

Ainda sobre o boicote, será que essa perseguição não tem gerado distorções dos dois lados?

Eu lembro que, na época dos lançamentos de “Real — O plano por trás da história” e “Polícia Federal — A lei é para todos”, houve gente mais ligada a um campo ideológico oposto criticando os filmes sem ver.

Com certeza toda polarização tende a ser burra. A inteligência mora em algum lugar entre uma coisa e outra, e sou completamente refratário a qualquer tipo de boicote. Mas é natural que a quentura da política norteie que filme ou peça que você vai ver.

Eu não vi nenhum desses filmes, mas o que eu sei é que o filme da Lava-Jato (“Polícia Federal”) custou R$ 16 milhões, e ninguém sabe de onde veio o dinheiro. Enquanto eu sou chamado de “ladrão da Lei Rouanet”, tem uma galera fazendo com mais facilidade seu trabalho.

Não estou os julgando, nem os conheço e torço para que o filme tenha sido bem-sucedido. Mas este momento de polarização gera distorções como essa. Tem sido muito difícil para a gente captar por causa do tema, e parece que foi mais fácil para a galera fazer o outro.

No meio da pré-produção, vocês mudaram o ator que vai viver o protagonista: saiu o Mano Brown e entrou o Seu Jorge. Por quê?

A gente começou esse projeto, e eu tinha o Brown muito na minha cabeça, porque ele simboliza muito o que o Marighella representa. Simbolicamente, Brown é um Marighella. Mas a gente deu azar que o mês de outubro foi o mês em que os Racionais tiveram mais shows. Eu tenho certeza de que se fosse a carreira solo dele, o Brown teria desmarcado os shows, mas os Racionais não são só ele. E foi muito difícil casar as rotinas de ensaios com as viagens para shows.

Então a gente, de comum acordo, decidiu que não daria para conciliar. Fomos para um cara que tem mais experiência, que eu admiro muito, que é meu amigo, e que eu já tinha considerado para o filme, que é o Seu Jorge.

Que diretor você espera ser?

Eu tenho me surpreendido . O que vou dizer vai soar pretensioso, mas vou dizer assim mesmo: tem sido muito natural para mim. E também estou cercado por uma equipe ótima, com quem já trabalhei.

Será um filme de câmera na mão o tempo todo, vou tentar imprimir essa energia nas cenas, e com muito amor sempre. Che Guevara dizia que o sentimento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *