IPHAN aprova tombamento de Terreiro em Cachoeira

Os terreiros baianos podem contar com três órgãos para requerer o tombamento: o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), nacionalmente; o Ipac, a nível estadual e a Fundação Gregório de Matos, que é subordinada à Secretaria de Cultura e Turismo (Secult), da Prefeitura de Salvador.

Confira a lista dos terreiros tombados pelo Iphan:
Salvador (BA)

Casa Branca do Engenho Velho
Axé Opô Afonjá
Ilê Iyá Omim Axé Iyamassé (Gantois)
Ilê Maroiá Láji (Alaketo)
Bate-Folha
Ilê Axé Oxumaré
Itaparica (BA)
Omo Ilê Agboulá
Cachoeira (BA)
Terreiro Zogbodo Male Bogun Seja Unde (Roça do Ventura)
São Luís (MA)
Casa das Minas Jeje

Além dos que já são tombados, outros 21 terreiros pedem reconhecimento no órgão. Desses, 11 são da Bahia.

São eles:
Salvador (BA)

Terreiro do Ilê Ache Iba Ogum
Terreiro Tumba Junçara da Nação Angola
Terreiro Mokambo-Onzo Nguzo Za Nkisi Dandalunda Ye Tempo
Lençóis (BA)
Terreiro Palácio de Ogum
São Félix (BA)
Terreiro de Candomblé do Cajá, situado na Fazenda Capivari
Guanambi (BA)
Terreiro de Aché Ilê Cicôngo Roxo Mucumbe de H’anzambi
Maragogipe (BA)
Terreiro Banda Lecongo
Santo Amaro da Purificação (BA)
Ilê Axé Yá Oman
Lauro de Freitas (BA)
Terreiro São Jorge Filho da Goméia
Cachoeira (BA)
Terreiro Egbé Éran Ope Olúwa – Terreiro Viva Deus
Terreiro Aganjú Didê da Nação Nagô-Tedô

Já o Ipac possui 13 terreiros tombados na Bahia. Do total, quatro são provisórios e nove são definitivos. Todos os provisórios estão localizados em Salvador e três dos definitivos são em Salvador. De acordo com o Ipac, dois critérios são levados em consideração no processo de tombamento: a singularidade e a excepcionalidade. “Um bem é singular quando detém características que lhe dão um caráter único, original, dentro de um universo de elementos similares. É excepcional quando apresenta qualidades técnicas, artísticas e estéticas de grande valor, excepcionais que o distinguem de outros”, diz a descrição do órgão. Questionado pela reportagem, o Ipac não informou quantos terreiros estão com o processo para tombamento.

Confira a lista de terreiros tombados pelo Ipac:
Tombamento definitivo
Cachoeira

Terreiro Humpane Ayono Huntólogi
Maragogipe
Terreiro Ilê Axé Alabaxé
Camaçari
Terreiro Manso Kilembekweta Lemba Furamam
Lauro de Freitas
Terreiro de São Jorge Filho da Goméia
Terreiro Ilê Axé Ajagunâ
Terreiro Ilê Axé Opô Aganju
Salvador
Terreiro de Condomblé Ilê Axé Oxumaré
Terreiro de Candomblé Pilão de Prata
Terreiro Mokambo Onzo Nguzzo Za Nkisi Dandalunda Ye Tempo
Terreiro Ilê Assipá

Tombamento Provisório
Salvador

Terreiro IIê Aché Ibá Ogum
Terreiro Terreiro Ilê Axé Kalé Bokum
Terreiro Tumba Juçara

A Fundação Gregório de Matos (FGM) realiza o tombamento no âmbito municipal. Para isso, existe um Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, formado por onze membros preferencialmente representantes de entidades civis, como Ordem dos Advogados do Brasil, Iphan, Ipac, Institutos dos Arquitetos do Brasil (IAB), entre outros. O conselho decide, por maioria simples, se dará ou não o título de patrimônio cultural para bens. Para conceder, a entidade tem 18 meses para instrução do processo, renovável por igual período.

Confira lista de terreiros tombados pela Fundação:
Tombado
Hunkpame Savalu Vodun Zo Kwe
Em processo
Ilê Asé Kalé Bokun

 

Correio*

Foto: Marina Silva/Arquivo CORREIO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *