Cachoeira: Deputada Fabíola manda recado para vereadores que aprovaram moção de repúdio

 

Uma Moção de Repúdio foi aprovada na Câmara Municipal de Cachoeira contra a deputada Estadual Fabíola, Mansur (PSB), durante a sessão dessa segunda-feira (12). O documento que teve o apoio de 6 vereadores da casa foi proposta pelo edil Edirami Clementino. Na súmula a turma da direita de Cachoeira aponta que Fabiola foi “infeliz, irresponsável e utilizou o fato como uma questão política”. No mês passado a deputada usou o microfone da Comissão de Saúda da Assembleia para soltar a metralhadora (AQUI) contra supostas irregularidades ocorridas na secretaria de saúde do prefeito Tato Pereira (PSDB). A gestão do atual prefeito já enfrenta uma CPI que apura irregularidades em contratos com a Santa Casa da cidade.
Segundo a parlamentar a moção deveria ser contra a malversação de dinheiro público, contra o cancelamento do convênio da Prefeitura com a Santa Casa Misericórdia – que presta um serviço de saúde essencial à população – e contra contratos leoninos e abusivos que desvirtuam o princípio das leis que regem o SUS.
Fabiola ainda passou o recado para os seis vereadores que aprovaram a moção. “Entendo que estes vereadores deveriam estar preocupados é com a retomada do convênio com a Santa Casa de Misericórdia e com a defesa do erário, pois é para isso que elegem-se integrantes das casas legislativas. Eu seria irresponsável se não pedisse a apuração da denúncia segundo a qual a Santa Casa de Cachoeira era obrigada a devolver R$ 10 mil mensais dos R$ 30 mil contratualizados com a Prefeitura de Cachoeira. Valores estes entregues em espécie, na casa do secretário de saúde, Mamede Dayube, a título de pagamento de salários de motoristas de ambulância. Quanto a mim, estou muito tranquila fiz o que manda a minha consciência, cumpri o meu papel como deputada, médica e cidadã. Confio que a CPI da Câmara de Vereadores, o Ministério Público Estadual, o Tribunal de Contas dos Municípios e o Tribunal de Justiça do Estado da Bahia irão apurar a verdade e punir os verdadeiros responsáveis por este descalabro”, afirmou Fabiola.
Na mesma sessão o advogado Igor Vinícios, que presta defesa ao secretário de saúde, Mamede Dayube, entregou um requerimento solicitando remarcação da audiência sem relevar os reais motivos.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *