A importância da Campus Party – Por Jamilie Calheiros

A importância da Campus Party para a Bahia

É inegável o sucesso da Campus Party, que foi recebida pela primeira vez na Bahia e realizada em Salvador no período de 09 a 13 de agosto de 2017 na Arena Fonte Nova. O festival tem tudo para entrar no calendário de eventos do Estado. A feira de tecnologia que foi uma iniciativa do Governo do Estado da Bahia, que a apoiou e “comprou a ideia” desde o primeiro momento, e que contou com a parceria do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações além da Telebrás.
A feira de tecnologia que, nesta edição teve como tema principal “Inovação Produtiva” teve recorde de público, superando todas as expectativas. Contou com mais de 80 mil visitantes e seis mil “campuseiros”, grupo que ficou acampado no próprio evento. Dentre os participantes, segundo a organização do evento, passaram por lá pessoas de vários países, estados e principalmente da capital e cidades baianas.
Mas o que é a Campus Party? Segundo o próprio Instituto que a criou, é a maior experiência tecnológica do mundo que une jovens “geeks”, gíria inglesa que significa jovens viciados em tecnologia, em computadores e em internet, em torno de um festival de inovação, criatividade, ciências, empreendedorismo e universo digital. O evento já esteve presente em países como a Espanha, Holanda, Alemanha, Reino Unido e Panamá, só para citar alguns.
Na Bahia, a CP, consolidou-se no sentido de que a ciência, tecnologia e inovação são acessíveis para todos os públicos e para todas as idades já que o encontro dialogou de forma democrática, gerando oportunidades para o desenvolvimento de softwares e de outras tecnologias, conforme pontuou o Secretário de Ciência e Tecnologia do Estado da Bahia, Vivaldo Mendonça.
Além da estrutura de ponta e da importância do evento para o cotidiano dos baianos e a possibilidade de entrar nos temas inovação, empreendedorismo social e educação empreendedora, por exemplo, apontados como o futuro, pois já vêm ganhando espaço nas discussões de empresas privadas e até do setor público, com a participação de palestrantes de renome internacional.
Entretanto, o que se nota é que nos cinco dias de festival tecnológico em terras baianas serviu de motivador e como uma porta de possibilidades para estudantes e profissionais baianos já que puderam acompanhar de perto as novidades no mundo da tecnologia, robótica, inovação e empreendedorismo, pois a partir de então poderão vislumbrar um futuro profissional promissor nos temas citados que prometem serem alvos das discussões das próximas décadas na Bahia, no Brasil e no mundo.

 

 

Jamile Calheiros , é  advogada e Internacionalista. Especialista em Direito Público pela Unibahia e Política e Planejamento Estratégico pela Escola Superior de Guerra/ UNEB.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *