Fundação Palmares lança projeto em Santo Amaro

Nos dias 11 e 12 de maio a Fundação Cultural Palmares estará na Bahia com o lançamento do projeto “Conhecendo Nossa História: Da África ao Brasil”. O lançamento será um dia em cada cidade, sendo que nessa quinta-feira (11) será em Salvador, no Espaço Cultural da Barroquinha. E no dia 12 (sexta-feira) será em Santo Amaro da Purificação, na Avenida Presidente Vargas – Largo do Mercado, durante os festejos do tradicional Bembé do Mercado que segue até domingo.

Projeto “Conhecendo Nossa História: Da África ao Brasil”

O projeto “Conhecendo nossa história: da África ao Brasil”, piloto na Fundação Cultural Palmares, busca disseminar o conhecimento sobre a história e cultura do continente africano e dos afro-brasileiros, contribuir para a educação das relações étnico-raciais e valorizar/assegurar o respeito à diversidade, tendo a educação e a cultura como instrumentos decisivos para a promoção da cidadania e eliminação das desigualdades. O projeto contempla duas publicações: o livro “O que você sabe sobre a África? Uma viagem pela história do continente e dos afro-brasileiros” e a revista temática customizada pedagógica denominada “Coquetel”.
A finalidade do projeto é levar conhecimento para alunos de escolas públicas sobre as contribuições do continente africano na construção da identidade e desenvolvimento nacional. Também colabora para uma maior conscientização por parte dos estudantes sobre a necessidade de respeitar as diferenças, além de propor o combate ao racismo, preconceito, discriminação, questões estas ainda tão presentes na sociedade brasileira. O projeto irá contemplar cada aluno participante com um kit contendo as duas publicações mencionadas.

A proposta é disseminar um material paradidático que passeia pela trajetória de enorme riqueza do continente africano chegando ao Brasil, no qual o objetivo é, sem abandonar o rigor do conteúdo, encantar e despertar o estudante para a necessidade de conhecer a sua própria história, livre das limitações de um conhecimento colonizado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *