Chineses vão investir no Porto Sul e Ferrovia Oeste-Leste, afirma Rui Costa

O governador Rui Costa (PT) afirmou no início da noite desta segunda-feira, 27, em vista ao camarote Villa Mix (Ondina), que, após périplo por diversos municípios do interior do estado, os empresários chineses estão fechando parceria com a Bahia Mineração (Bamin) para a construção do Porto Sul e que participarão da licitação para a construção da Ferrovia Oeste-Leste (Fiol) a ser abertura pelo governo federal no meado de 2017. Já há uma reunião agendada para esse mês entre Bamin e a China Railway NO.10, com governo do estado. Os dois empreendimentos estão orçados em R$ 6 bilhões.

O governador chegou ao camarote acompanhado da delegação chinesa que aproveitou seu último dia na Bahia para conhecer o Carnaval de Salvador. Eles estão no estado há uma semana e rodaram de carro por mais de dez municípios que margeiam a ferrovia ao lado do vice-governador João Leão (PP). À noite, a comitiva não resistiu a passagem de Bell Marques e caiu no ritmo da música baiana.

A Ponte Salvador-Itaparica, orçada em R$ 8 bilhões, também está na mira dos chineses, mas eles estão estudando e irão apresentar uma modelagem de negócios alternativa à formulada pelo governo do estado nos próximos meses.

“Ferrovia e Porto Sul estão certos. Num sentido: ferrovia vai passar por uma licitação, o Porto Sul o processo de seleção já foi feito, eles vão entrar como sócios da Bamin. Mas a Ferrovia tem uma licitação. Mas não tem muita gente com capacidade de entrar numa licitação dessa. Então, eles não são únicos. Mas essa licitação será feita pelo governo federal, não pelo governo do estado. Ficaram de publicar o edital até o mês de julho e eles estão decididos a participar. Evidente que quando eu digo que estão decididos é porque todas as informações até aqui eles dizem: o projeto está de pé. Ou seja, significa que tem viabilidade”.

A Bamin entra com parceria porque o que irá viabilizar a rodovia nos primeiros anos será o minério. Depois entrarão os grãos do Oeste, mas a largada será dada pelo minério.

Já no caso da ponte, os chineses irão apresentar um modelo de negócios que conta com captação de investimentos junto ao setor imobiliário do entorno da ponte.

 

Tarde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *