Prisão perpétua não traria vítima de volta, diz ex-goleiro Bruno

O ex-goleiro Bruno afirmou nessa sexta-feira, 24, que mesmo se existisse prisão perpétua no prisão, isso não traria a vítima de volta. A declaração ocorreu em entrevista à TV Globo Minas, no mesmo dia em que ele foi liberado após a emissão de um habeas corpus, concedido pelo ministro do STF Marco Aurélio Mello.
O ex-jogador do Flamengo deixou a Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac) de Santa Luzia, na Grande Belo Horizonte, onde cumpria pena de 22 anos e 3 meses de prisão pelo sequestro, o assassinato e a ocultação de cadáver da ex-amante, Eliza Samudio, com quem teve um filho. Bruno ficou quase sete anos na prisão.

“Independente do tempo que eu fiquei também, eu queria deixar bem claro, se eu ficasse lá, se tivesse prisão perpétua, por exemplo, no Brasil… não ia trazer a vítima de volta. Eu quero deixar bem claro que eu vou recomeçar. Não importa se seja no futebol, não importa se seja em outra área profissional, mas como eu vou estar na área do futebol, é o que eu almejo pra mim”, afirmou na entrevista.
“Paguei, paguei caro, não foi fácil. Eu não apagaria nada. Isso serve pra mim de experiência, serve como aprendizado e não como uma punição”, disse.
Na decisão, o ministro afirma que “a esta altura, sem culpa formada, o paciente está preso há seis anos e sete meses” e “nada, absolutamente nada, justifica tal fato”. “A complexidade do processo pode conduzir ao atraso na apreciação da apelação, mas jamais à projeção, no tempo, de custódia que se tem com a natureza de provisória.”
O advogado Lúcio Adolfo afirmou nesta sexta que “em liberdade, ele não põe em risco ninguém”. Ele ressaltou que o goleiro “já tem proposta de trabalho de alguns times para o campeonato estadual”. “Ele vai tomar o caminho que achar melhor. Certamente nunca mais será o mesmo.”

 

 

Informações Estadão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *